só espaço ocupado emite ressonâncias

Há uma OPEN CALL, porque há espaço – o Edifício AXA no âmbito do projecto 1ª Avenida. As pessoas aderem ou não, há quem se comprometa, há quem tenha vontade em se sujeitar a pesquisas desconhecidas, novos encontros, houve quem tivesse abertura e interesse em conhecer a prática e processo de trabalho duma artista provinda da performance e dança contemporânea, cujo obra dirije, apresentando as suas criações tanto em palcos como em espaços não convencionais.
Há uma semana que uma constelação de pessoas partilha, pratica e cria processos de pesquisa. Sendo que o foco fulcral foi deixar emergir ressonâncias, que por sua vez podiam ser experienciadas, tanto pelo público como por quem os lançou à partida.
Esta Sexta e Sábado, no edificio AXA no 7º piso, é feito um convite às pessoas da cidade do Porto para assistirem a apresentações fruto de recentes colaborações.
Apresentar-se-ão 19 artistas de vários médiums, numa live installation de 3 horas, 3 performances, há 1 anfitriã, 1 instalação sonora, 1 vídeo instalação, a inauguração de 1 exposição fotográfica e 1 convite a todos que contribuam para uma “mesa comum”, sendo a regra que tragam algo para adornar a mesa de todos, convidados a sentarem-se e desfrutarem da boa companhia.

DIA1: Sexta feira | 26.07


Anfitriã: Mirró Pereira

— TRABALHO 1:
sem título de animalidade (3 hrs)

Live Installation de Vânia Rovisco com participantes no Open Call

HORA: 21h30 – 24h30

LOCAL: Edifício AXA – 7º piso

A performance preenche uma idéia da imaginação como uma participação na verdade do mundo, como um repertório de potencial. Imagens carregadas ou não, embora nunca com intenção de fazer sentido em termos discursivos. Por tudo aquilo que o que é perceptivo tem, faz e sempre existirá.
A minha pesquisa nos últimos anos tem-se centrado na presença.
 Creio que o mais importante a transmitir sobre o trabalho é o processo a que foi sujeito no periodo de uma semana no edificio AXA. 
O que é apresentado em dois dias é um diálogo com o objecto/materiais no tempo do mesmo espaço. Sendo a primeira uma instalação de 3 horas e a segunda de 30 minutos. 
Os intérpretes, artistas locais que decidiram fazer parte dum processo totalmente desconhecido, são o resultado duma das dinâmicas da OPEN CALL. Onde surge para mim a rara possibilidade de que a minha pesquisa seja informada por vários corpos, saber mais sobre ela, não só como a transmitir mas o seu contéudo em massa (visto que trabalho a solo).
É por esta razão que lugares abertos de pesquisa com outros me parecem ser vitais para a criação, os trabalhos e as pesquisas que se fazem.

Concepção e Direcção: Vânia Rovisco

Interpretação: Ana Leitão, Cristiana Rocha, Daniel Pinheiro, Elisabete Sousa, João Alves, Leonor Rodrigues, Luís Sousa, Luís Vieira, Maria Quintelas, Márcia Gomes, Marta Cunha, Paulo Bastos e Vânia Rovisco

Composição sonora: Luís Vieira com participação de Ana Sofia e Vânia Rovisco

Duração: 3 horas / 30 mins.


— TRABALHO 2: Exposição de Pires de Barros
TÍTULO: I had a studio for 2 days
HORA: 21h30 – 24h30
LOCAL: Edifício AXA – 7º piso

DIA2: Sábado | 27.07


Anfitriã: Mirró Pereira

— TRABALHO 1: Performance-pesquisa por Elisabete Sousa + Ana Leitão

Orientação e atribuição do espaço por Vânia Rovisco

Elemento sonoro de Luís Vieira

TÍTULO: MUSCA DOMESTICA
HORA: 20h45
LOCAL: Edifício AXA – 7º piso

Foi lançada a ideia “pintar com cheiros”, daí fundiram-se os corpos com a intenção de criar com matérias domésticas que permitissem experienciar texturas e odores. Este processo, sempre em processo e ainda embrionário, trata da intervenção e invasão num espaço aberto a uma dramaturgia onde o odor/matéria é o elemento de estímulo.

 

— TRABALHO 2: Pesquisa para uma leitura encenada de Maria Quintelas e João Alves
TÍTULO: equandoaesperafezdiminiurotamanhodoquartoatéquaseasufocar
HORA: 21h15
LOCAL: Edifício AXA – 7º piso

Maria Quintelas propõe actuar sobre a Palavra, e através da articulação dos seus poemas, outrora escritos, cria uma conversação entre dois personagens. Vânia Rovisco une-a com João Luz e define-lhes um espaço para que juntos possam desenvolver a proposta que é interpretada por ambos e por Márcia Gomes. Sendo um trabalho essencialmente teatral, não deixa de conter elementos performativos e instalativos que convidam o público a experienciar um momento mais intimista. Queremos agradecer ao Luís Sousa por ter acompanhado este nosso projeto que teve como objetivo primordial perceber a importância do processo de pesquisa e exploração, tanto da Palavra como do Espaço e forma como a primeira ressoa no segundo.

 

— TRABALHO 3: Performance de Vânia Rovisco e participantes no Open Call
TÍTULO: sem título de animalidade (30 mins)
HORA: 22h10 – 22h40
LOCAL: AXA – 7º piso

A performance preenche uma idéia da imaginação como uma participação na verdade do mundo, como um repertório de potencial. Imagens carregadas ou não, embora nunca com intenção de fazer sentido em termos discursivos. Por tudo aquilo que o que é perceptivo tem, faz e sempre existirá.A minha pesquisa nos últimos anos tem-se centrado na presença.
Creio que o mais importante a transmitir sobre o trabalho é o processo a que foi sujeito no periodo de uma semana no edificio AXA.
O que é apresentado em dois dias é um diálogo com o objecto/materiais no tempo do mesmo espaço. Sendo a primeira uma instalação de 3 horas e a segunda de 30 minutos.
Os intérpretes, artistas locais que decidiram fazer parte dum processo totalmente desconhecido, são o resultado duma das dinâmicas da OPEN CALL. Onde surge para mim a rara possibilidade de que a minha pesquisa seja informada por vários corpos, saber mais sobre ela, não só como a transmitir mas o seu contéudo em massa (visto que trabalho a solo).
É por esta razão que lugares abertos de pesquisa com outros me parecem ser vitais para a criação, os trabalhos e as pesquisas que se fazem.

Concepção e Direcção: Vânia Rovisco
Interpretação: Ana Leitão, Cristiana Rocha, Daniel Pinheiro, Diana de Sousa, Elisabete Sousa, João Alves, Luís Sousa, Luís Vieira, Maria Quintelas, Márcia Gomes, Marta Cunha, Paulo Bastos e Vânia Rovisco

Composição sonora: Luís Vieira com participação de Ana Sofia e Vânia Rovisco

Duração: 3 horas / 30 mins.

 

— TRABALHO 4: vídeo instalação de Rebecca Moradalizadeh + Ruben Pires
TÍTULO: Respiração
HORA: 19h – 1h
LOCAL: Edifício AXA – 7º piso
DURAÇÃO: em loop

Video realizado através da captação de várias partes do corpo onde se manifesta a respiração,
partes essas que não são descritivas e remetem para o mistério e melodia de cada corpo, simulam paisagens diversas,
abstractas e incógnitas.
Várias corpos foram filmados, denotando-se os vários ritmos e respirações das pessoas que participam neste open call.
A respiração vem de fora para dentro e de dentro para fora tal como todos nós, emitindo assim a nossa paisagem exterior.

 

— TRABALHO 5: Exposição de Pires de Barros com a Instalação sonora de Luís Vieira e participação de Marta Cunha
TÍTULO: I had a studio for 2 days
HORA: 19h – 1h

 

— TRABALHO 6: Exposição de fotografia de João Paulo Calvet em diálogo com Vânia Rovisco
HORA: 23h (inauguração)
LOCAL: Edifício AXA – 7º piso

 

——————————————-Mesa Comum —–23h00 – 1h00 —————————————–
CONVITE AO PÚBLICO E COMUNIDADE LOCAL
Alargando a OPEN CALL, solicita-se a presença de todos com espírito de partilha e CONTRIBUIÇÃO (tragam uma garrafa de vinho, um queijinho, aquela iguaria personalizada, uma experiência culinária, um pacote de batata de marca branca … seja o que fôr o desejo e possibilidade!), com intento de deixar surgir uma dinâmica de encontro, um EVENTO que procuramos tornar aberto a todos para um encontro na “mesa comum”.

Álbum de imagens 1

Álbum de imagens 2