BOXING | Residência artística com Marta Bonito Cunha e Luís Vieira | Edifício AXA

Residência artística |  13 de junho a 1 de julho

Apresentações: 2 e 3 de julho |19h30

6º Piso | Edifício AXA

 

O projecto Boxing é uma espécie de perfinst – performance e instalação – de um tríptico de ambientes relacionados com aquilo a que chamamos casa, terra, cidade, esse ponto que aparece no mapa como ponto de partida ou de chegada ou de passagem. Encontramo-nos entre esses não-lugares, lugares que foram e que ainda não deixaram completamente de ser. Encontramo-nos em mudança, em mudanças, continuamente. E mesmo assim há a necessidade de cuidar, de limpar, de guardar cada objeto como cada palavra passada, esquecida, relembrada, recolhida. Há sempre alguém que parte e alguém que espera, que fica, mas depois parte, muda, empacota, embala para abalar. Existem rotas de quilómetros encolhidas e esticadas, cruzadas e desencontradas. Mais minuto menos minuto. Tudo muda.

Lotação limitada

Entrada livre

 

Ringue de mudança – chegar, partir, voltar

As caixas rodeiam o Homem

As caixas são como as horas.

As caixas são mudanças.

As caixas que são as coisas. Coisas.

As caixas que são casas.

As caixas que são carros.

As caixas que são segredos.

As caixas que são surpresas.

As caixas que são para guardar. roupa. ideias. sonhos. imagens. vinho. memórias. fotografias. tralha. sapatos.

Sempre havemos de precisar de sapatos.

As caixas que são recicladas, reutilizadas.

O ciclo interminável das caixas. Como o da água.

Caixas são sozinhas. Caixas frágeis.

As caixas com nome. As caixas anónimas.

As caixas-pessoas. As caixas e as pessoas. As caixas contra as pessoas.

As caixas e o vaso, a mesa, o espelho, a cadeira, nós e vocês vezes três.

 

Marta Bonito Cunha

Estudou Ciências da Comunicação (2006-2009), vertente de Cinema e Televisão na Universidade Nova de Lisboa e concluiu o mestrado em Estudos Literários, Culturais e Interartes (2010-2012) na Universidade do Porto. Tem traçado um percurso enviesado entre as artes performativas, as palavras e o cinema.

Como atriz/ intérprete destacam-se a peça Katzelmachera partir da obra homónima de R. W.Fassbinder, com encenação de Luís Araújo e Ricardo Braun (2012); o filme A Ronda da Noite (2013), a partir de Quarteto de Heiner Muller e a peça Barulheira (2015), a partir de Barulheira de Álvaro Lapa, ambos com realização e encenação, respetivamente, de João Sousa Cardoso; a curta-metragem A Rapariga de Berlim de Bruno Freitas Leal e o híbrido Trojan Horse de André Mendes.

Participou nos projetos Bodies in Urban Spaces do coreógrafo Willi Dorner (2013), em Suite nº 1 –ABC/ Encyclopèdie de la Parole de Joris Lacoste(2014), e em Atlas de Ana Borralho e João Galante (2014).

Colaborou durante 2014 no projeto a longo prazo A mulher é o futuro do homem, de Paulo Brás.

Como criadora encenou e interpretou com Luís Vieira Em Estado de Graça, dramaturgia de Paulo Brás a partir de O Auto da Cotovia de Natália Correia (2013); co-criou com Luís Vieira a instalação sonora Queria fazer-te uma última pergunta e a performance Os filhos de Spoutnik não andam na rua, a partir de textos de Marguerite Duras, projeto inserido no evento Abril Duras (2014).

mais informação:

http://cargocollective.com/martabonitocunha

 

Luís Vieira

Músico, sound designer, licenciado em PTM pela ESMAE/IPP.

Constante é a presença da música e do universo do som, num movimento  mpressionista, expandindo-se por outras expressões artísticas, tais como instalações artísticas e a performance.

Em 2013, na música para a animação Shadowless, a instalação Farol e a performance Em Estado de Graça, em cocriação com Marta Cunha. Ainda nesse ano, no estágio pela Casa da Música e SA/IPP.

2014, Abril Duras no Porto, novamente numa dupla cocriação com Marta Cunha, a instalação sonora Queria Fazer-te uma Última Pergunta e a performance Os Filhos de Spoutnik Não Andam na Lua. Na música, assume a produção musical em Fort Oak Tree e OCEAN. E voltando ao cinema, na longa-metragem Santa Joana dos Matadouros.

2015, inicia-se com a colaboração como sound designer para a companhia de teatro Hotel Pro Forma em Copenhaga e a composição da banda sonora para a curta-metragem Jettison.

Vídeo promo

Apoio: Edifício AXA